SÍNDROME DO PÂNICO - tratamento e cura

domingo, 31 de agosto de 2014

Conexão Homem-Espírito

Somos espíritos atuando na matéria densa, porém não podemos deixar de lembrar que, somos também um corpo físico e que o ser multidimensional não deve menosprezar nenhum de seus corpos.
Podemos nos comparar com as árvores. Nosso corpo é o tronco por onde a seiva circula. Formada nas raízes, através da absorção de elementos do solo, a seiva leva a vida para os caules e folhas.
A copa é nossa conexão com a espiritualidade, mas não há copa saudável se não houver raízes.
É um conjunto que trabalha unido. A espiritualização do homem deve acompanhar sua vida diária em comunhão com a Natureza. Sua essência é espiritual e terrena.
A espiritualidade e mediunidade equilibradas só são possíveis ao homem enraizado. Médiuns desarmonizados com sua natureza terrena não têm como exercer a mediunidade saudável.
O médium que não está aterrado ao planeta, falta com a base que lhe possibilita a conexão com os espíritos sem o acometimento de consequências danosas.
No contato com o plano espiritual, o médium, sem raízes, não consegue descarregar as energias acumuladas em suas incorporações com espíritos sofredores. Esse é o caso de muitos médiuns de incorporação no trabalho de desobsessão. Esperar que o plano espiritual fizesse tudo por nós, retrata imaturidade mediúnica.
Médiuns que trabalham com a cura pelos passes também devem estar aterrados, para que possam exercer seu papel. A energia dominante entre duas pessoas sempre predominará segundo a força que carregam. O médium, muitas vezes, na intenção de ajudar acaba por se prejudicar, porque enfraquecido energeticamente, é dominado pela força contrária do doente.

Assim também ocorre aos médiuns céticos de sua condição de interação energética com as dimensões sutis. Da mesma forma, perdem-se no egoísmo da vida material.
O Taoismo, filosofia oriental em que se baseia a Acupuntura, tem como fundamento o respeito pelos movimentos da Natureza, conduzidos pela sabedoria que ela nos traz e o respeito que a ela devemos.
A energia vital, conhecida no oriente como prana ou ch’i é responsável por nos manter vivos, alimentando nosso corpo etérico.  Ela é absorida pelo corpo físico  através da alimentação, respiração, contato com a natureza, práticas físicas como ch’i kung e yoga.
O homem vem se afastando de sua essência natural. Temos um corpo que é um microcosmo pulsante e está sob nosso comando. O que comemos, o que e como respiramos, o que pensamos e sentimos se refletem em nossa saúde como um todo.
Esquecemos-nos da importância de estarmos conectados a Natureza e por consequência perdemos nossa interação com o  planeta, nossa mãe Gaia. A astrologia nos mostra a nossa interdependência aos astros. Nosso pequeno mundo interior é tal qual o mundo exterior. Se quisermos conhecer o universo, olhemos para nós mesmos.
O planeta Terra  nos proporciona a vida . Captamos a energia telúrica, conhecida no oriente por kundalini. O médium enraizado suga as forças telúricas que sustentam sua saúde e proporcionam flores e frutos à sua copa.
Aterrados ao planeta descarregamos e trocamos energia com suas profundezas. As energias deletérias acumuladas são descarregadas, tanto nas águas salgadas de Yemanjá, quanto na terra de Obaluae , ou nas matas de Oxossi. O elemento terra é a força da transformação.
Muitos médiuns buscam no trabalho mediúnico uma fuga da realidade que a vida material lhes oferece e a qual não se ajustam. Muitos consulentes vão às casas religiosas para adquirirem fórmulas mágicas para a solução de suas dores ou para prever o futuro.
Fugir da realidade física , buscando a espiritualidade como esconderijo, é uma estratégia que não proporciona bons resultados e agrava a situação.
A vida diária representa a prática para a evolução espiritual e transformação interior. Ela nos fortalece para a espiritualidade.
O médium desenvolvido e amadurecido sabe a responsabilidade que tem diante dos cuidados com o seu corpo e sua rotina diária, que incluem os pensamentos, sentimentos e atitudes que o acompanham.
 Os transtornos psicológicos estão presentes em grande parte dos médiuns devido à falta de integração entre o corpo e o espírito.
Alguns religiosos deixam-se levar pelo entusiasmo mediúnico e pelo dogmatismo que impõe e faz prevalecer a crença da culpa e do castigo. Entre os céticos materialistas, a visão estreita sobre os cinco sentidos e a cultura do ego, dilaceram o corpo e o espírito que passam a ser manipulados por medicamentos alopáticos e agravamento das patologias físicas e psicológicas sem o devido tratamento integral.
A integração entre a vida material e espiritual trará a plenitude que almejamos, na medida que une os opostos aos quais estamos conectados.
A árvore saudável aceita sua condição e se sustenta na sabedoria que há na Natureza. Recebe o alimento que cai do céu e que sobe pela terra e devolve o que recebe com gratidão. Serve de alimento a todos os seres com quem compartilha através de seus frutos.
O homem-espírito está doente porque não respeita sua condição. Quer se separar do céu e da terra. Sem raízes e sem copa, o ego domina seu ser.
Se está se sentindo assim , sem conexão, enraize-se! Torne-se uma árvore!

Salve!


Práticas para o Homem-Espírito com Nadya Prem 
Agende Orientação Bioenergética- Psicoespiritual aqui:  Nadya Prem


sábado, 23 de agosto de 2014

Rigidez do Espírito, Inflexibilidade do Corpo


Você é uma pessoa muito rígida e controladora? Se sua resposta é sim, poderá sofrer, ou já foi acometida por problemas articulares.

O que nos torna flexíveis?

Os movimentos de nosso corpo são proporcionados pelas articulações.

O Sistema Articular é formado por um conjunto de articulações,  que são pontos de contato entre dois ou mais ossos. A mobilidade, porém, causa um atrito, que é amenizado pelo Sistema Articular com a existência das bolsas sinoviais, que agem como amortecedores entre os ossos e os tecidos à sua volta.

Os taoistas consideram as articulações como portais ou centros de energia ch’i, nos quais ela é gerada e armazenada. A estagnação dessa energia produz a rigidez. Os tendões também fazem parte desse processo e na MTC – Medicina Tradicional Chinesa o fígado é responsável pelo fluxo energético saudável das articulações e dos tendões em geral.

Enquanto que para a medicina convencional, as doenças articulares são consequência do sistema autoimune, de causas desconhecidas ou de sobrecargas, a medicina chinesa atribui, na grande maioria dos casos, as afecções articulares a fatores climáticos. Algumas pessoas sentem dores nas articulações somente quando há mudança do clima.

Segundo a ciência psicossomática, as dores e problemas nas articulações são frutos de rigidez de pensamento. Mente crítica demais, reclama de tudo, está sempre infeliz. Há um bloqueio de manifestações, de choro ou raiva, por exemplo, e da negação de lidar com assuntos antigos, mas que causam muito incômodo.

Eu Sou Feliz?



Você nasceu e recebeu um nome e provavelmente foi acolhido em um lar.

Olhou para o mundo e tudo era um, você e o mundo eram um. Seu lar, seu quarto, sua cama. Sua mãe, seu pai e todos os outros, não eram outros, eram todos um.

Mas, aos poucos você foi percebendo a si mesmo através do mundo. O eu começou a se manifestar. Eu quero, eu tenho, eu gosto. As pessoas lhe diziam quem era você.

Você olhava-se no espelho e se comparava com o outro. Assim você foi formando sua autoimagem.

Viu no mundo o que era considerado bonito ou feio, padrões de beleza.  Foi interiorizando as verdades que lhe ensinaram. Aprendeu a se comportar diante do outro, aprendeu o que dizer, quando sorrir, quando calar. O que era certo, o que era errado, o que é ser bom e que é ser mau.

Você procurou entender as lições diárias que recebia, mas guardou muitas dúvidas e escondeu tudo aquilo que não poderia pensar, sentir, dizer...

Você se tornou alguém pela metade, escolhendo entre o certo e o errado, que assumiu como verdade e deixou de lado sua alma íntegra.

Mas quem você se tornou?

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Dúvidas - Ego X Observador



Em quais ocasiões de sua vida você realmente teve certeza de qual era a melhor escolha a ser feita?
Quantas vezes você titubeou antes de escolher e, depois de ter escolhido, arrependeu-se ou foi tomado pela angústia e insegurança?
No momento de decidir sobre algo importante e que poderá alterar o rumo de nossas vidas, a dúvida pode nos trazer a reflexão necessária para escolhermos com maior assertividade.

Mas, em que nos basearmos nesse instante de questionamento? Em quais parâmetros nos guiarmos para escolher o melhor caminho? O que considerar, em quais valores nos apoiarmos como indicadores?
Entre algumas escolhas mais difíceis estão as que se referem aos relacionamentos amorosos e profissão. Uma crise na relação conjugal pode nos colocar em grande dúvida. Pensar e repensar se vale a pena continuar a relação, se estamos nos desgastando à toa, se ainda queremos estar ao lado desse alguém. Uma escolha profissional também pode ser bastante difícil e gerar dúvidas.

Mudança de moradia, de cidade, a compra de um carro novo e até escolhas simples, como uma roupa para usar, podem também provocar dúvidas e um grande conflito interior.

Quais as causas de tamanha insegurança e de tantas dúvidas em nossas vidas?
Nem sempre sabemos o que realmente queremos. Normalmente valorizamos o que não temos, porque fantasiamos e criamos expectativas, que muitas vezes se tornam uma realidade frustrante quando conquistamos. Então, criamos novos desejos e o ciclo recomeça. Nunca há a realização plena porque escolhemos a partir do ego.
Em regra, movidos pelo medo e pela necessidade de controle da vida e de todas as situações, lutamos por ter o domínio sobre o outro e os acontecimentos.  
Temos que aceitar a vida como se mostra e as pessoas como são, sem a ilusão de que poderemos mudá-los, cientes que os problemas não surgem no outro ou nos acontecimentos, mas em como reagimos a eles, como nos sentimos nessa interação com o próximo e com o mundo.
Guiados pela autoimagem como se fosse nosso verdadeiro eu, ficamos desconectados de nosso ser. O ego é apenas um aglomerado de rótulos que adquirimos sobre nós mesmos e que tentamos sustentar como nossa identidade, mesmo que isso nos cause imenso sofrimento.
Quando eu era mais jovem, o domínio que o ego exercia sobre mim, muitas vezes me fez de tola.

Sabe, quando você veste uma roupa que lhe incomoda, um sapato que lhe aperta, mas, mesmo assim continua usando, para manter a sua imagem perante o outro?
Você vai para uma festa e tem que estar vestido de acordo com a comemoração. Uma grande encenação, um teatro com coreografia, cenografia e fantasias...
Viver no  ego é assim! Uma novela mexicana ou uma comédia romântica.

As dúvidas em excesso e a dificuldade em escolher podem indicar que nos conhecemos muito pouco. Não sabemos quem somos, o que estamos fazendo aqui. Por isso, nossa vida pode se tornar uma bagunça, cheia de conflitos. Ela refletirá nossa confusão interior.

Como decidir sem se arrepender? Como saber se escolheu o que era melhor?
A responsabilidade por nossa vida e escolhas é nossa e de mais ninguém. Nunca parta do principio de que a escolha se fundamenta no outro. Não somos vítimas, nem o outro é culpado por nossos sentimentos e nossas dúvidas.
O nosso mundo interior nos pertence e precisamos estar no domínio.
Então, ninguém poderá escolher por nós. Isso acontece muito em terapia quando o cliente acredita que o terapeuta lhe mostrará qual o caminho a percorrer e lhe dirá o que fazer e quais as melhores escolhas. Alguns buscadores  esperam que os guias espirituais lhes respondam com quem devem se relacionar, qual trabalho devem seguir. Querem previsões de seu futuro, confissões sobre fidelidade do cônjuge, cura instantânea e por aí vai...

Nenhum terapeuta sério e muito menos um benfeitor espiritual de elevada condição evolutiva cometerão tais enganos.
Expor seus questionamentos e dúvidas para alguém é muito saudável e pode ajudar bastante, desde que não caia em mãos de "conselheiros do ego", os "amigos da onça".
Faz-se necessário entender o Livre-Arbítrio. Estamos vivendo segundo nossas crenças, nossos gostos, nossas tendências e de acordo com uma programação espiritual que nos conduz. Precisamos crescer e resgatar dívidas do passado. Somos chamados a trabalhar nossa reforma íntima e, somente pela prática diária da vida e das escolhas, poderemos aprender.

Precisamos nos conhecer para sabermos o que é melhor para nós. Conhece-te a ti mesmo e sua vida se transformará.
Temos varias vozes dentro de nós que nos falam o tempo todo e nos confundem em sentimentos conflitantes.

Qual voz ouvir?

Aprender a acalmar a mente é a primeira condição essencial, que nos proporcionará a paz necessária para irmos à profundidade de nosso ser, para escutar os nossos sentimentos profundos, escutar a nossa alma.

Parar de racionalizar, medir, comparar e querer controlar. Deixar de lado as imposições do ego. Essa identidade falsa  que não nos ajudará na escolha, porque suas escolhas se baseiam apenas em suas reações emocionais e sua visão distorcida. O ego não reflete o que realmente somos e queremos.

Todo conflito interior e toda dúvida são o resultado do quero, mas não quero.

O ego quer, mas o eu verdadeiro não quer, ou vice-versa. Então quem vencerá essa disputa?
Se o ego vencer você sairá perdedor. Haverá frustração e sofrimento com uma sensação de autossabotagem
O ego pouco se importa com o sua essência e impede que se vivencie o Dharma. Segundo as filosofias orientais, o Dharma representa a verdade, a ordem natural de todo o Universo, como se o rio fosse o Universo e seu fluxo fosse o Dharma.

Portanto, para aprender a escolher, basta se entregar à vida e ao fluxo natural que nos leva pelo caminho correto.
Praticar o eu observador, que não julga, não deseja, não anseia. Apenas vivencia confiante o presente,   contemplando o aqui e o agora em silêncio.

Através da prática da meditação toda verdade será mostrada e o que era dúvida se tornará certeza.
Não há bom ou mal caminho, boas ou más escolhas, há apenas o caminho que agrega  os dois opostos, unidos no Tao.

Liberte-se de todo o conflito da dualidade e ouça o seu coração. A essência se manifesta no chacra Anahata, no centro de nosso ser, entre o céu e a terra, o alto e o baixo. Visualize a energia da luz rosa em seu centro Anahata e deixe que ele vibre a luz que iluminará a sua vida.

Namastê!

domingo, 10 de agosto de 2014

AMBIENTES TÓXICOS




Interagimos com o mundo exterior em tempo integral. Mesmo quando estamos sozinhos, ou melhor dizendo, quando acreditamos estar sozinhos, continuamos a receber o influxo externo.
A ciência, através de Einsten, revelou-nos que toda matéria é energia condensada.
O fluido cósmico universal ou energia cósmica, como citado nas obras espíritas de Allan Kardec, é a matéria elementar primordial manifestada em diferentes densidades por todo o universo e suas criações. Estamos mergulhados nessa energia e entrelaçados por ela e por isso nunca estamos totalmente isolados.
A energia primordial quando em contato com os organismos vivos se transforma em energia vital e nesse campo sutil nos conectamos com as pessoas e os ambientes.
Todo ambiente possui vida energética própria. Um lar, um escritório, uma via pública. Cada qual com suas características arquitetônicas que lhes conferem diferenças energéticas. Localização geográfica específica e vizinhança. Pessoas que por lá circulam e que juntos produzem no ambiente sua identidade energética.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

PSICOTERAPIA ORIENTAL TAOISTA - Lições para uma vida plena e saudável

Viver no aqui e agora com a liberdade de ser o que sou, de escolher o que quero sentir neste exato momento, como uma criança que se deita na grama e fica a contemplar o céu e a imaginar em cada nuvem uma nova criação. 

Nadya Prem





Se você está deprimido, você está vivendo no passado.
Se você está ansioso, você está vivendo no futuro.
Se você está em paz, você está vivendo o presente
Lao Tzu