Saúde Mediúnica - Desenvolvimento Mediúnico Transreligioso



Salve buscador!


Recebo diariamente questionamentos sobre o trabalho terapêutico transpessoal direcionado a saúde mediúnica. Muitos ainda creem que mediunidade está restrita a religião. Um engano que se carrega como crença. 
A Terapia Transpessoal, unida a Naturopatia, trata a mediunidade em seu conjunto.
Ser médium é nossa natureza e os desequilíbrios mediúnicos causam uma série de  transtornos psicológicos e físicos.
Todo espírito “encarnado” na órbita terrestre é médium, vivenciando temporariamente na “carne”. Todos somos médiuns em variados graus. Seja médium intuitivo ou de incorporação; a inter-relação entre os mundos material e espiritual ocorre mesmo sem a consciência do homem/espírito.
Como espíritos, pensamos, sentimos e agimos, manifestando-nos na matéria densa, através do corpo físico. Entre a densa energia terrestre e a sutileza espiritual, encontram-se os corpos dimensionais que servem ao espírito em sua manifestação.  Os corpos energético, emocional e mental, constituem os corpos do plano da evolução humana. Acima deles, encontram-se os corpos búdico e átmico.
A saúde mediúnica, então, dependerá da saúde física, energética, emocional e mental do ser integral.
Não há desenvolvimento mediúnico seguro sem que haja a interação saudável de todos os corpos.
A terapia transpessoal não se aprisiona em dogmas.Os princípios dogmáticos são crenças básicas pregadas pelas religiões, que devem ser seguidas e respeitadas por seus membros sem nenhuma dúvida.Quem os rejeita pode incorrer em crimes variáveis de acordo com a religião. Na Igreja Católica o crime de heresia aconteceu no período da Idade Média, em que as pessoas acusadas eram excomungadas ou perseguidas através da Inquisição.
A Terapia Transpessoal tem como objetivo servir de instrumento para o despertar da consciência multidimensional, capaz de proporcionar a plenitude de uma vida auspiciosa e saudável. Trazer equilíbrio e harmonia à dinâmica natural entre espírito e homem. A experiência transpessoal é isenta de preconceitos e julgamentos. Ir além da pessoa, do ego, do eu inferior.
 A busca do desenvolvimento mediúnico deve ser estruturada no processo de expansão da consciência.
Para desenvolver a mediunidade com segurança, o médium tem que estar psicologicamente e emocionalmente saudável. Os desequilíbrios emocionais e mentais invadem e impedem a comunicação com o plano espiritual.
O médium, antes de trazer as comunicações dos espíritos, terá que reconhecer e curar o seu próprio mundo interior.O eu inferior, conhecido como ego, é seu maior inimigo em sua busca.
Expandir a consciência é ultrapassar as barreiras do ego e de suas crenças limitantes.
Para servir de canal nas comunicações extraterrenas, o médium tem que se desvincular do ego, desidentificar-se, para depois retornar com total lucidez a personalidade que o identifica nesta encarnação.
No meio desse caminho, ele irá se defrontar com as dimensões energética, emocional e mental e poderá se perder entre tantas emanações, inclusive do inconsciente coletivo e dos arquétipos. 
Ficar preso às impressões que retém dessas energias, confundindo-se e adentrando no âmbito do animismo e nas memórias de vidas passadas.
A falta de conhecimento e de uma abordagem integrativa resultam na grande variedade de médiuns "doentes". 
Transtornos psicológicos como a Síndrome do Pânico, a Esquizofrenia, Transtornos Depressivos e Ansiosos, TOC, entre tantos outros.
Transtornos físicos crônicos de todas espécies, em especial , as enfermidades autoimunes. 

Paixão, Sexo, Energia e Espiritualidade



Alguém me perguntou sobre as relações sexuais e a troca energética que se estabelece entre os parceiros.
Essa questão me motivou a escrever sobre o assunto.
Analisar os relacionamentos amorosos e apaixonados, pelo prisma das dimensões sutis,  revelam o quanto a humanidade ainda está jungida a dimensão das emoções que imperam o mundo da forma.
Temos o conhecimento do Tantra que trata a sexualidade com lucidez, mas ainda assim, fica uma lacuna.

No espiritismo, na resposta ao item 822-a de O Livro dos Espíritos, os Benfeitores grafaram o seguinte: Os sexos só existem na organização física, pois os Espíritos podem tomar um e outro, não havendo diferenças entre eles a esse respeito.

O Tao nos concede sua sabedoria sobre os opostos que formam o Todo. O masculino e o feminino, o yin e o yang, estão presentes em todos nós e se manifestam, normalmente, predominando um ou outro. Raramente encontramos pessoas que já tenham alcançado a união dos opostos em si mesmas e a manifestação igualitária de ambas as forças.

Enquanto espíritos humanos, ou seja, submetidos à roda de Sansara e à lei do Karma, podemos a cada encarnação, nascer sob o domínio de um gênero, masculino ou feminino. Já fomos do sexo masculino, já fomos do sexo feminino, de acordo com as necessidades de aprendizado.

Apesar da forma humana, as forças da energia masculina ou feminina podem imperar, independente do gênero do corpo físico, o que determinará a heterossexualidade, homossexualidade ou bissexualidade.

Quando conhecemos alguém e começamos uma relação, aos poucos vamos criando um cordão energético que nos conecta ao outro.
Vinculamo-nos às energias do parceiro e passamos a trocar as nossas energias com a dele. Inicia-se a formação de um corpo energético e emocional, vivo e atuante, que se fortalece com a relação.

Essa conexão entre os parceiros se faz inicialmente,  normalmente, pelos chacras inferiores , que representam as forças terrenas, das sensações, das emoções e evoluem para o chacra médio o Anahata, chacra Cardíaco,  à medida que os sentimentos resultantes do convívio se afloram.

Quanto mais duradoura a relação, maior a dependência energética e o vínculo.
No chacra Anahata as emoções vivenciadas vão se acumulando. Conforme a qualidade da relação, o vínculo vai se transformando em sentimentos de verdadeiro amor ou em sofrimento e dor. A lei do karma vai se moldando na convivência.

Quando a relação se fortalece por emoções inferiores, então, passa a ser um vicio, que apesar de todo sofrimento que causa, continua alimentando os chacras inferiores, num tipo de simbiose.
A simbiose é uma dependência criada entre dois seres que se inter-relacionam, nutrindo-se um do outro.

É um tanto assustador ver uma relação de paixão pelas lentes das dimensões sutis.Mas, para todos que já passaram pelo sofrimento da paixão e da separação, sabemos o quanto é dolorosa, tanto a relação quanto a separação.
Ao contrário, quando há sentimentos de amor e respeito, o vínculo energético é luminoso e as emanações fluídicas se fundem ao coração que se ilumina e transcende a paixão.Numa relação saudável e de companheirismo, além da paixão, constrói-se o amor incondicional, o laço eterno que um dia reunirá a todos.

Não devemos confundir amor com paixão, mas podemos a partir de uma relação apaixonada, desenvolver o amor.
Deste fato, concluímos que a humanidade evolui através dos chacras inferiores. Do desejo, das sensações e do apego se aprende a amar.

A relação sexual , mesmo que concebida apenas pelo prazer físico, traz em si uma troca energética e espiritual.
A energia sexual tem a intenção de unir o “eu” ao “tu” e pode ser considerada como uma força geradora de amor ou de ódio, alicerçada em sentimentos puros, de respeito,  ou movimentada pelo apego e egoismo.

As relações sexuais, acima de tudo, são o portal pelo qual o espírito reencarna e, portanto, instrumentos de manifestação divina e de bençãos que possibilitam os regates karmicos, através da família. Reencontramo-nos com o passado mal resolvido em outras vidas. E dessa maneira, seguimos a nossa evolução, sempre pelo convívio e pelos vínculos de amor ou de ódio.

Por isso, devemos estar cientes que uma relação amorosa e ou apaixonada, implica grande responsabilidade entre os parceiros.
Quando nos relacionamos sexualmente, abrimos nosso campo energético ao outro e seremos contaminados ou agraciados pela energia que o outro tiver a nos oferecer.

A força sexual e das paixões são um canal aberto às influências umbralinas quando não vividas com seriedade. Os vampiros espirituais são famintos dessas emoções que os sustentam e os mantém encarcerados ao apego à matéria.
A energia kundalini deve ascender em sintonia à ascensão espiritual e a sexualidade será um canal de luz.

Os chacras superiores são o manancial energético capaz de transformar os instintos animais em consciência divina.

O amor deve ser a bússola em todas as relações temperadas pela paixão humana.

Não há pecado quando o Paraíso é usufruído sem apego.
O fruto proibido representa a paixão doentia, que não se eleva aos níveis superiores das energias, que vibram em harmonia com o Universo e o Criador.
Namastê


LEIA TAMBÉM ESTE ARTIGO:  VAMPIRISMO SEXUAL


NATUROPATIA E TRANSPESSOAL
Saúde para o ser integral
Consultas presencial e à distância
Para agendar entre em contato por e-mail nadyaprado@uol.com.br




O Caminho do Despertar Espiritual - Entrai Pela Porta Estreita!




"Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que leva à perdição, e muitos são os que entram por ela. Que estreita é a porta, e que apertado o caminho que leva para a vida, e quão poucos são os que acertam com ela!"  (Mateus, VII: 13-14)
 
 
Percebo que muita gente anda oferecendo o caminho da “porta larga” para atrair a atenção dos corações aflitos e famintos de amor, saúde e abundância.
São tantas fórmulas mágicas, orações poderosas, terapias milagrosas...

Eu vejo um mundo de expectativas frustrantes, porque não é aí fora que iremos encontrar nossa felicidade.

Nenhuma mandinga pode, simplesmente, alterar todo o curso de sua vida.
Nossa vida é resultado de todo o passado que vivemos, desta e de outras encarnações.


Temos aquele tal de karma, lembra disso? Ah... Mas, andam dizendo por aí que nós podemos queimar todo nosso karma, assim, da noite para o dia!
Gente, vamos despertar?


Precisamos compreender alguns pontos importantes. Ninguém vira anjo assim, num passe de mágica... Tudo requer nosso próprio esforço e entendimento.


Não estou dizendo que não sejamos iluminados, que não tenhamos o princípio Divino em cada um de nós e que estejamos aqui para sofrer.
Acontece que ninguém está aqui encarnado para “curtir” uma temporada de férias.


A vida é laboratório do espírito. Nascemos e renascemos, como manifestação de Deus.
Estamos aqui para aprender através de nossos erros. A transformação interior se faz aos poucos. Em pequenas doses, assim como na homeopatia...

A luz repentina pode cegar!
O tempo é relativo. A eternidade nos pertence.


Nós precisamos do ego, da sombra, da doença, para compreender o Budha, a luz e a saúde.


E o que é o karma?
Ele é o resultado de cada ação que cometemos desde a nossa criação até hoje.
A lei da ação e reação é imutável.


Criamos karmas bons ou ruins. Então, para não termos mais que reencarnar, teríamos que parar de agir. A inação não é uma possibilidade para o encarnado.
Como não criar karma? Como não nos submetermos à lei da causa e efeito?
Bem, ao estarmos atentos às nossas atitudes, vamos aos poucos aprendendo a criar apenas bons karmas e ao mesmo tempo vamos vivenciando os resgates que resultaram do mal uso de nossas outras vivências.

Tomar consciência de nós mesmos, de nossas ações repetitivas e viciosas. Reconhecer as emoções que nos dilaceram o ser.


A transformação ocorrerá com a aceitação de nós mesmos, com a vivência e o expurgo das reminiscências passadas, com o cultivo dos sentimentos sublimes que traduzem o amor incondicional.


Veja, não é  tão fácil, assim, como dizem por aí...


O egocentrismo ainda impera entre todos nós, sem exceção!


Ele é o principal obstáculo para a compreensão das manifestações do espírito. O ego é o princípio da individualidade ( Ahankara) e gera no homem o desejo (kama), o ódio, a raiva (kodha), a ambição (lobha), o apego (moha), o orgulho (mada), a malevolência, o ciúme, a inveja (matsarya).


Se você disser que não carrega nenhum desses atributos, desculpe-me! Então você está no lugar errado!


Para não mais reencarnar, é necessário atingir o grau evolutivo do plano mental superior, que é o somatório de todo o aprendizado realizado através das encarnações sucessivas e do aprendizado através do ego.


O corpo mental superior é o corpo sutil que se constrói pouco a pouco a cada encarnação.


O estado de saúde ou doença, de amor ou ódio, de escassez o abundância, dependerão da visão e atitude corretas.


O Nobre Caminho Óctuplo, ensinamento de Buddha, é o “milagre” que todos buscam:


Compreensão correta, pensamento correto, fala correta, ação correta, meio de vida correto, esforço correto, atenção correta e concentração correta.
Mas, o que é correto?


Compreender as quatro nobres verdades. A vida é sofrimento porque nela há o apego. O apego é resultado da ignorância. Para cessar o sofrimento precisamos desenvolver o amor incondicional que nos afasta do ego.

Puxa vida... Que caminho cheio de pedras...

Sigamos pelo caminho do meio, nem tanto ao céu, nem tanto a terra! O caminho do meio une os opostos e nos torna Um.

É o caminho que adentramos pela porta estreita!



Salve!