Por que a sensação de não pertencer a este mundo?


O sofrimento causado pela sensação de “’não pertencimento” é grande e doloroso e se você passa por esta situação, sabe bem como é difícil viver num mundo em que se sente isolado ou diferente como um alienígena.

Você conhece o transtorno espiritual do “Não Pertencimento”?

Os transtornos espirituais são as neuroses e psicoses, psicopatologias, deficiências e enfermidades do corpo e da alma, que o espírito trata no hospital terreno. Vejamos a jornada no plano terreno como uma oportunidade de cura para o espírito.

A sensação de não pertencimento, ao contrário do que alguns têm pregado, significa a falta de adequação aos relacionamentos e ao ambiente e não uma exclusividade de alguns espíritos mais “evoluídos” ou diferentes.

É sempre bom ter cuidado com explicações e caminhos fáceis para o comportamento humano, que muitas vezes, prejudicam mais que ajudam, porque nos fazem usa-los como justificativas para nossas atitudes, como uma bengala em que apoiamos para não ter que lidar com as dificuldades que trazemos em nosso espírito.

Evitar a porta larga, como Jesus nos alerta em sua parábola, sempre é o melhor caminho para não cair nas tentações do ego.
"Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem" ( Mt 7:13 -14).

Todo ser humano tem a necessidade intrínseca de se relacionar e pertencer a um grupo. Quando não acontece, ele busca um modo de amenizar seu sofrimento interno. Algumas vezes se familiarizando com ideias e explicações que perigosamente trazem um consolo ao ego, sobre o seu estado emocional e mental. Neste sentido, quero citar aqueles que adotam o enredo que a falta de adequação de uma pessoa é fruto de suas grandes qualidades, em se comparando com a humanidade e que ela provavelmente é de origem extraterrena de civilizações mais adiantadas e por aí afora.

Somos criaturas em aprendizado e pouco evoluídas e precisamos ser mais humildes neste contexto, para que a ilusão não se torne maior do que já é. Um extraterrestre ou qualquer espírito mais evoluído que a grande massa humana, jamais se sente isolado, nesta sensação de não pertencimento, porque ele não vive na dimensão do ego.

O ser mais evoluído tem em sua manifestação a base do amor incondicional e da compaixão que o leva ao entendimento do outro como parte de si mesmo, como irmãos pertencentes a mesma Grande Família Universal e a Deus como o Todo.
A sensação de não pertencimento é um problema e não uma solução. Quando mais o espírito se isola, mais se perde de sua essência e de sua consciência.

As questões relacionadas ao transtorno espiritual de “não pertencimento” devem ser analisadas a partir da gestação e infância e também pelo olhar atento as vidas passadas. Um espírito quando se sente isolado do mundo, das pessoas, da família, está envolvido nas malhas do ego e da falta de percepção, num estado de alienação.

Já ouvi relatos de clientes sobre a sensação de estranheza e o questionamento, desde a infância, sobre o porquê de estarem aqui, neste planeta.  Alguns sentem um grande mal-estar energético, percebem a densa camada de energia deletéria que envolve o planeta e ainda a sensação de saudade de algum outro lugar.

A causa pode ter suas raízes na falta de acolhimento dos pais, o sentimento de abandono e autoestima baixa. Na terapia tratamos a criança interior, dando-lhe proteção, para que ela refaça seu crescimento, desenvolvendo sua autoestima e seu potencial amoroso, que a retira do isolamento.

Também devemos tratar a esfera espiritual, porque estes casos nos remetem as vidas passadas, em que há uma forte identificação e apego do espírito a elas e uma rebeldia interior de não aceitação desta vida atual.

Entrar pela “porta estreita” como nos recomenda o mestre Jesus significa aprender, crescer e evoluir espiritualmente pela porta estreita da reencarnação, que nos conduz as dificuldades do convívio diário com pessoas tão problemáticas quanto nós mesmos. 
Espíritos afins que se encontram na camada terrena das experiências cotidianas. Como uma prisão temporária ao espírito recalcitrante ou como a visão de um paraíso terreno, para aquele que já vibra na condição da compaixão por seus semelhantes.

Namastê


Inscreva-se no meu blog 
Inscreva-se no meu canal do youtube www.youtube.com/nadyaprem

Por que a mente adoece?


As pessoas estão cada vez mais estressadas, sofrendo de transtornos psicológicos que as tornam reativas, perdendo a capacidade de percepção de si mesmas e do mundo a sua volta.

Ninguém tem mais paciência com nada, vivendo com a cabeça no dia de amanhã e nas fixações do passado. O comportamento alienado numa mente doentia, leva cada um de nós ao estado de vazio e sofrimento.

Eu já me senti assim, com tanta informação em minhas mãos e sem tempo para assimilar tudo, olhando apenas para a capa dos livros, para o título, sem conseguir parar e entrar em contato com o conteúdo.
É isto que tem ocorrido na internet, nas mídias sociais, na vida... Ninguém mais tem tempo para o conteúdo. Já ouvi muitas pessoas dizerem que compram livros mas não os leem. É assim que estamos vivendo, ou melhor, não estamos vivendo. Estamos deixando a vida passar...

Nada é experimentado verdadeiramente e por isto nos sentimos vazios. Relacionamentos fúteis na internet, sem qualidade, sem profundidade. Uma vida rasa, na qual estamos deixando o livro da nossa história em branco, quando não conseguimos sair da mente. Ficamos preocupados com o final, com os resultados e deixamos de viver o presente.

Por causa do medo do amanhã e do excesso de apego, desenvolvemos os transtornos psicológicos de toda espécie, porque estamos vivendo na mente, uma vida ilusória, irreal.
Para sair de qualquer transtorno psicológico, tem que começar a sair da mente. Parar de deixar que ela domine e enlouqueça você.

São pequenos momentos que deixamos de curtir, porque passamos a achar que quantidade é mais importante que qualidade, inventando uma vida sem aprimoramento.
Eu já vi na internet um cara que resume as histórias dos livros para quem quiser. E a vida de cada um de nós também está cada vez mais resumida a um grande nada...

Se estamos nesta jornada terrena e não por acaso, seja espiritualista ou não, o que temos a aprender é que temos que experimentar o mundo e isto tem que acontecer aqui e agora. Os relacionamentos são o nosso maior tesouro. Na vida profissional, amorosa, familiar, não importa qual setor, temos que conviver e escrever uma história, que é a nossa vida.

Como alguém pode ser pleno, ter uma vida satisfatória se está preso à mente?
Ela é reativa, é como um arquivo pronto, cheio de memórias , que utilizamos para responder aos relacionamentos.

O uso excessivo que fazemos da mente e a prioridade que damos a ela, como dominante em nosso ser, provoca os desequilíbrios mentais. Esquecemos de nos conectar com o corpo e com os nossos sentimentos.

Se você parar agora por alguns instantes e se conectar com as outras partes de seu ser, você se surpreenderá com o que irá encontrar, perceber e experimentar. Mas, provavelmente, você terá uma pequena chance de conseguir esse contato, porque sua mente não o deixa em paz.
Você precisa aprender a fazer isto, a sair do domínio da mente. Aí sim, você estará se curando e  também curando a sua mente, que está esgotada.

Eu convido você a entrar em contato com o seu ser integral. O seu corpo, seus sentimentos, suas emoções, sua energia e também a espiritualidade que vai além de qualquer cunho religioso. A espiritualidade pura, essencial.

As pessoas estão buscando resultados e tomam medicamentos que as transformam em zumbis, mortos-vivos. Elas acreditam que estão fazendo a coisa certa porque elas seguem o que a mente delas diz o tempo todo para elas: "Eu sou você, eu sei o que é bom para você..."

A mente doente pode ser curada, quando ela deixa de dominar o seu ser e passa a estar direcionada por ele.

Namastê

Inscreva-se no blog e receba as novidades e artigos www.psicologiaespiritualista.blogspot.com.br
Vamos marcar uma consulta online? Informações e valores: nadyaprado@uol.com.br

Pedir ajuda não basta!



Olá buscadores, namastê! Eu recebo muitos e-mails de pessoas pedindo ajuda, literalmente. Doenças físicas; transtornos psicológicos e mediunidade desequilibrada; questões familiares, profissionais e amorosas; falta de dinheiro e solidão; entre tantos outros problemas.

 Para todas essas situações de desarmonia com a vida e consigo mesmo, sempre recomendo o caminho terapêutico que traz todos os elementos que participam da integridade e saúde do ser. Percebo porém, que alguns pedidos são unilaterais, ou seja, a pessoa quer se curar, quer plenitude, mas não está disposta a realizar a sua parte na história que protagoniza. O doente é o principal agente de seu sofrimento e de sua cura.

Vivendo a Realidade Quântica


Você já se pegou chorando enquanto via um filme ou novela?

A gente se envolve com o drama e sente o sofrimento do personagem, como se fosse nosso. E quando você sonha que está com medo e acorda de repente e sente o seu corpo reagindo, como se o seu sonho fosse real?

O coração acelera, você se arrepia e a mente fica inquieta. A realidade é relativa e a prova disto é sentir o azedo na boca quando imagina chupar um limão. É tão simples e óbvio que deixamos de perceber como nossa realidade está sob nosso domínio.


Por que não lembramos das vidas passadas?


Uma dúvida que tanta gente traz sobre as reencarnações é o porquê de não lembrarmos naturalmente de nossas vidas passadas.
Será que ajudaria, em nossa vida atual, termos consciência de quem fomos no passado?
Tudo depende do quanto cada um está preparado ou não, pronto ou refratário a assumir e incorporar outra identidade em si.