Pedir ajuda não basta!



Olá buscadores, namastê! Eu recebo muitos e-mails de pessoas pedindo ajuda, literalmente. Doenças físicas; transtornos psicológicos e mediunidade desequilibrada; questões familiares, profissionais e amorosas; falta de dinheiro e solidão; entre tantos outros problemas.

 Para todas essas situações de desarmonia com a vida e consigo mesmo, sempre recomendo o caminho terapêutico que traz todos os elementos que participam da integridade e saúde do ser. Percebo porém, que alguns pedidos são unilaterais, ou seja, a pessoa quer se curar, quer plenitude, mas não está disposta a realizar a sua parte na história que protagoniza. O doente é o principal agente de seu sofrimento e de sua cura.

Vivendo a Realidade Quântica


Você já se pegou chorando enquanto via um filme ou novela?

A gente se envolve com o drama e sente o sofrimento do personagem, como se fosse nosso. E quando você sonha que está com medo e acorda de repente e sente o seu corpo reagindo, como se o seu sonho fosse real?

O coração acelera, você se arrepia e a mente fica inquieta. A realidade é relativa e a prova disto é sentir o azedo na boca quando imagina chupar um limão. É tão simples e óbvio que deixamos de perceber como nossa realidade está sob nosso domínio.


Por que não lembramos das vidas passadas?


Uma dúvida que tanta gente traz sobre as reencarnações é o porquê de não lembrarmos naturalmente de nossas vidas passadas.
Será que ajudaria, em nossa vida atual, termos consciência de quem fomos no passado?
Tudo depende do quanto cada um está preparado ou não, pronto ou refratário a assumir e incorporar outra identidade em si.